segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

O Amor! Die Liebe! El Amor!





Uma amostra do Livro: Poemas, Contos e Encantos II

Três idiomas: Português, Alemão e Espanhol

Lorena Zago


O Amor!
“Sejamos luzes que identificam por onde caminha o amor.
Pois nem a distância, nem as condições climáticas, tem o poder de dissipá-lo.
O amor é um sentimento nobre, que se realimenta alicerçado em diálogos, compreensões mútuas, empatia e contemplação.
É um estado de alma e/ou essência que remete à paz interior, à harmonia e à comunhão.
Deixemos que este sentimento tão único e tão grandioso ao mesmo tempo, floresça a cada alvorecer e seja fortalecido ao findar de cada dia.
O Universo comungará uma conspiração mais humana.”

Lorena Zago


Die Liebe!
“Seien wir Lichte, die zeigen worüber die Liebe geht.
Denn nichtmals die Entfernung und auch nicht die Klimatischen
Bedingungen können sie zerstreuen.
Die Liebe ist ein nobel Gefühl, dass sich an Einklang, Betrachtung und glück gedanten wiederanpasst.
Sie ist ein Seelenstand und/oder eine Essenz dass zu inneven Frieden, Harmonie und Kommunion zusendet.
Lassen wir das dieses Gefühl, so einzigartiges, so grossartiges, zur selben Zeit, aufblüht am Tages erwachens und am Ende jedes Tages verstärkt ist.
Das Universum wird Anteil haben an eine menschlicher
Verschwörung.”


Lorena Zago

( Tradutora: Marlene Schönrok)


¡El amor!
"Vamos a ser luces que identifican dónde va el amor.
 Porque ni la distancia ni las condiciones climáticas, que tiene el poder de disiparla. 
El amor es un sentimiento noble, que se alimenta de nuevo, basado en pensamientos empatía, la contemplación, la felicidad.
Es un estado de ánimo y / o esencia que conduce a la paz interior, armonía y comunión. 
Deje que esta experiencia tan única y tan grande, al mismo tiempo, floreciendo cada amanecer y se fortalezca al cierre de cada día.
El universo en comunión una conspiración más humano ".

( Lorena Zago)



  

domingo, 8 de janeiro de 2017

Memórias do Paredão!






Memórias do Paredão!
(Lorena Zago)

A vida é feita de surpresas, que muitas vezes nos põem a pensar...
Momentos, sabemos vencê-las, noutros, ficamos perplexos diante das situações, num redemoinho de percalços, indagando-nos, para onde devo seguir?
Que norte a bússola da própria intuição, nos inspira a aportar?
Instaura-se em nosso interior um espaço, que é longe em distancia física, mas perto para amenizar nossa aflição.
Tudo converge para a busca espiritual, que o comunga com o contexto elencado.
Transmutando-nos para lá percebemos:
A tarde sob um sol radiante, convida a olhar a vida com outras lentes.
Elevo os olhos e mais que de repente, vislumbro a paisagem que se projeta adiante.
E num estalar de dedos, o que mais me surpreende, é a natureza sorrindo majestosa e elegantemente, apresentando-se faceira a cada movimento.
No vale imenso que descortina a prosa, do arvoredo a abrigar os pássaros, que em busca de sementes e aconchego, pousam, vibrando acordes de sinfonias airosas, respaldando ao longe a alegria garbosa.
E nesta atmosfera que tudo transforma num lindo contingente, espraia-se a emoção pulsante, dos humanos ao mesclar-se à hora.
De longe por entre a floresta densa, de forma nobre e de prata iluminada, insinua-se a Lua e o anoitecer acontece.
Não há como ficar ausente, de um cenário que conclama a admirar embevecido, tal natureza instaurada neste momento.
O pensamento silenciosamente, ao Arquiteto Maior emana a glória, da beleza física, espiritual e da geometria presente.
Além, do verde intenso escurecendo lento, de segundo à segundo o cenário modificando, da sua magnificência contagiante,embriagando a cada ser que o contemple, ouve-se ao longe a dança dos Bugios, mesclada a tantas sonoridades, difusas e dissonantes, permeando o contexto a tonalidades, hora imaginário, hora real, lindo, poético, sem igual.
E, extasiada no envolvente mundo, observo pasma e com olhar profundo:
Da grama às bananeiras,
Do limão às laranjeiras,
Das lagoas às cachoeiras,
Dos morros, encostas e vales,
Do vento à brisa mansa,
Dos Tatus, Tamanduás e Lebres,
De tantos insetos unidos, vivendo harmoniosamente,
Relembro de um povo carente de natureza e pé no chão.
De flores de todas as cores, brotando irreverentes, decorando o olhar descrente, de tanta beleza num só sertão.
Batizado hoje de Paredão!

Homenagem aos Dia do Leitor!

domingo, 1 de janeiro de 2017

Mundo mais Humano!





Queridos Amigos!

Que os conceitos constituídos em cada Ser,
 possam passar por profundas
análises, renovando-se na medida em que for necessário, para que as 
 concepções e ações
fluam a um novo pensar, um novo fazer, um renascer.
E que os Seres renovados, possam nortear suas metas e objetivos,
 proporcionado um Mundo mais Humano!
Então será Feliz Ano Novo em cada contexto e na essência de cada Ser!

Feliz e Iluminado Ano 2017

Lorena Zago